A lógica vem em dois sabores

A lógica vem em dois sabores

por nbluedorn

Uma introdução prática sobre o raciocínio indutivo e dedutivo – a lógica.

Através dos tempos, os lógicos descobriram dois tipos diferentes de raciocínio: raciocínio indutivo e raciocínio dedutivo. Como estes dois se diferem está no coração da filosofia lógica. Tentarei mostrar como, essas duas maneiras de pensar são fundamentalmente diferentes e como ambas são úteis à sua maneira.

Raciocínio indutivo

O raciocínio indutivo também é chamado de raciocínio científico. Como sou apicultor, vou usar um exemplo com abelhas para explicar o raciocínio indutivo.

Colmeias de abelhas estão morrendo em todo o país. Este é um fato real. Eu experimentei isso no meu próprio apiário. Vamos supor que a Universidade de Illinois me contratou para examinar mil colmeias para ver o que as estava matando. Eu observo que quinhentas dessas colmeias têm ácaros varroa. No entanto, as outras quinhentas colmeias não têm ácaros. Eu observo, através da minha própria visão científica, que as colmeias com ácaros geralmente morrem em um ano, mas colméias sem ácaros vivem. Eu concluo que os ácaros varroa estão matando abelhas

http://www.fallacydetective.com/images/uploads/christianlogic_image_varroa_mite.gif
Abelha com Ácaros Varroa

Como eu formei meu argumento? Eu tive dois grupos de evidências:

1ª Evidência: A maioria das colmeias com ácaros morrem em um ano.

2ª Evidência: A maioria das colmeias sem ácaros vive.

. . . e uma conclusão:

Conclusão: os ácaros matam as colmeias.

Se nós assumirmos que eu fosse um bom cientista e minhas observações estivessem corretas, então, eu tenho certeza de que minha conclusão é verdadeira? Não, algo mais pode estar matando as abelhas – um vírus, por exemplo – e os ácaros estão simplesmente tirando proveito das colmeias fracas. Mas, salvo minha descoberta de qualquer nova evidência, você concorda que os ácaros provavelmente estão matando as abelhas? Podemos pensar em mais experiências que eu poderia fazer para fornecer mais evidências. Qualquer nova evidência pode fazer minha conclusão parecer ainda mais provável, ou pode levar-me a uma conclusão diferente sobre o que está matando as abelhas.

Podemos imaginar o raciocínio indutivo como um detetive de polícia examinando pegadas ao redor de uma cena de crime e, então, adivinhando onde o criminoso tinha ido. Ou podemos imaginar o Sr. MacGregor vendo marcas de mordidas nas folhas de alface e concluindo que Peter Rabbit provavelmente estava em sua Horta novamente.

Tecnicamente, o que é raciocínio indutivo? O raciocínio indutivo é o uso de princípios científicos para tirar a conclusão mais provável da evidência. Alguns métodos de raciocínio indutivo são: Generalização, Métodos de Mill para Investigação Experimental, Raciocínio Científico Hipotético e as Leis da Probabilidade.

Raciocínio dedutivo

O raciocínio dedutivo é muito diferente do raciocínio indutivo. Segue um caminho diferente. Começa de uma direção diferente.

Suponha que eu li um artigo no American Bee Journal (Jornal de abelhas Americano – ABJ) sobre o novo ácaro varroa. O American Bee Journal diz que se um apicultor vê pequenas manchas vermelhas em suas abelhas que se parecem com ácaros varroa, então suas colmeias vão morrer dentro de um ano ou dois. Como um bom apicultor, confio no ABJ. Um dia, visito meu pequeno apiário e noto pequenos ácaros vermelhos nas abelhas das minhas colmeias. Em grande angústia, concluo que minhas abelhas têm ácaros de varroa e minhas colmeias morrerão se eu não fizer algo em breve.

Como eu formulei esse argumento? Comecei com duas premissas. Estas são declarações que sei serem verdadeiras. Estes são os blocos de construção de um argumento dedutivo.

1ª Premissa: Se eu ver ácaros nas minhas abelhas, elas vão morrer.

2ª Premissa: vejo ácaros nas minhas abelhas.

. . . minha conclusão foi:

Conclusão: Minhas abelhas morrerão.

Assumindo que minhas premissas estão corretas, eu tenho certeza de que minha conclusão é verdadeira? Sim, não há outras possibilidades. Se é verdade que “se eu vejo ácaros nas minhas abelhas, então eles vão morrer”, e se é verdade que “eu vejo ácaros nas minhas abelhas”, então a única possibilidade é que “elas vão morrer”. No entanto, com um argumento dedutivo válido, o argumento é tão sólido quanto suas premissas. Quando as premissas são verdadeiras, a conclusão segue necessariamente. Uma conclusão necessária é chamada de conclusão dedutiva.

Desta vez, o Sr. MacGregor vê Peter Rabbit sob a cerca da sua horta. O Sr. MacGregor sabe que toda vez que Peter Rabbit está em sua horta, ele sempre come toda a sua alface. Portanto, o Sr. MacGregor caminha de forma resignada para o galpão para obter mais sementes de alface. Ele sabe com certeza que precisa replantar sua alface. Como Sherlock Holmes diria, “dedução brilhante, Dr. Watson”.

Com o raciocínio indutivo, procuramos encontrar probabilidade, mas, com o raciocínio dedutivo, estamos buscando a certeza. Mas para encontrar certeza, devemos começar com suposições – essas são as premissas de nosso argumento. Tecnicamente, o que é raciocínio dedutivo? O raciocínio dedutivo é o uso da inferência necessária para tirar conclusões certas das premissas. Dois métodos de raciocínio dedutivo são: Lógica Aristotélica Tradicional (Silogismos Categóricos) e Lógica Simbólica Moderna.

Comparando esses dois tipos de raciocínio: o raciocínio indutivo começa com muitas evidências e chega a uma conclusão provável, enquanto o raciocínio dedutivo começa com algumas afirmações confiáveis ​​e termina com uma conclusão necessária.

Raciocinando com a Bíblia

Vejamos exemplos de raciocínio usando a Bíblia. Primeiro, o raciocínio indutivo usando evidências que encontrei em Gênesis.

1ª Evidência: Deus criou Adão.

2ª Evidência: Deus criou a lua e as estrelas.

3ª Evidência: Deus criou os oceanos.

4ª Evidência: Deus criou insetos, como o gafanhoto e a lagarta.

5ª Evidência: Deus criou grandes animais como elefantes e pequenos como o rato.

Conclusão: Deus provavelmente me criou também.

Eu sei com certeza que minha conclusão é verdadeira? Como eu sei que Zeus ou algum outro deus pagão não me criou quando eu nasci? Eu não excluí logicamente essa possibilidade. Os lógicos sabem que o raciocínio indutivo nunca pode provar nada com certeza.

Mas o raciocínio indutivo não é inútil. Se não fosse pelo raciocínio indutivo, você não estaria lendo isso. Papel e tinta não teriam sido inventados. Desenvolvimentos em nossa compreensão do raciocínio indutivo possibilitaram os avanços espetaculares da ciência e tecnologia modernas.

Além disso, você usa o raciocínio indutivo em uma base diária. Você fez julgamentos baseados em probabilidade para fritar um ovo no café da manhã. Você sabe, por experiência do passado, que quando você quebra um ovo algo grudento se espalha na frigideira e começa a estralar. Depois de um tempo, aquela coisa grudenta endurece e fica gostosa quando você a coloca na boca. No entanto, você não pode provar que nunca encontrará um ovo que aja de maneira diferente. Mas todo mundo acha que os ovos provavelmente continuarão bons para o café da manhã.

Agora vamos ver se o raciocínio dedutivo usando a Bíblia pode provar alguma coisa:

1ª Premissa: A Bíblia diz que Deus criou todas as coisas – João 1: 3.

2ª Premissa: Eu sou uma coisa – Vamos supor que isso é verdade.

Conclusão: Portanto, Deus me criou.

Essa forma de argumento dedutivo é chamada de silogismo.

A questão do aborto fornece outro exemplo de raciocínio dedutivo da Bíblia. A Bíblia em nenhum lugar diz explicitamente que o aborto é errado, mas podemos provar que está errado colocando dois e dois juntos. Aqui estão algumas declarações que podemos extrair da Bíblia:

Assassinar uma pessoa viva é pecado. – Êxodo 20:13. Mateus 19:18

Matar ilegalmente uma pessoa com premeditação é assassinato. Deuteronômio 19: 4, 11.

Os filhos pré-nascidos são pessoas vivas. – Jeremias 1: 5; Lucas 1:41

O aborto está matando uma criança pré-nascida viva. Esta é a definição de aborto.

Portanto, o aborto é assassinato e um pecado.

Conheço minha conclusão com certeza? Sim, cada ponto deste argumento se baseia no último ponto até chegarmos à conclusão que foi necessariamente deduzida das premissas. Este é um exemplo de raciocínio dedutivo da Bíblia. O único pré-requisito para concordar com esse argumento é que uma pessoa deve acreditar na Bíblia. Todas as premissas vêm da Bíblia ou da definição de aborto. Somente aqueles que não acreditam na Bíblia podem discordar da conclusão.

  • Como diferenciá-los

Existem algumas maneiras de se diferenciar um argumento indutivo a partir de um argumento dedutivo. Aqui está um teste simples que geralmente funciona:

Se um argumento pode ser mais convincente adicionando mais evidências, então é um argumento indutivo. Se descobríssemos mais evidências sobre como os ácaros da varroa matam as abelhas, então nosso argumento de que os ácaros estão matando as colméias pareceria ainda mais forte.

Por outro lado, se um argumento não pode ser melhorado adicionando mais coisas a ele, então é um argumento dedutivo. Se encontrássemos mais cem versículos bíblicos que diziam que Deus criou todas as coisas, isso não faria a conclusão de que Deus me criou mais verdadeiro. Uma vez que um argumento dedutivo é feito, nada pode torná-lo melhor. Alguém pode ser capaz de declarar o argumento em termos mais claros, mas nenhuma das mudanças de raciocínio.

Usos do raciocínio dedutivo e indutivo

Ambas as formas de raciocínio lógico são úteis à sua maneira. O raciocínio indutivo fortaleceu os desenvolvimentos da ciência e tecnologia modernas, como as descobertas sobre como tratar as abelhas dos ácaros varroa. Usamos esse tipo de raciocínio para fazer escolhas práticas em nossa vida, como qual máquina de lavar comprar ou como se livrar de uma dor de cabeça.

O raciocínio dedutivo é útil para provar as coisas com certeza – prove suas doutrinas pela Bíblia.

Esses [de Beréia] eram mais nobres do que os de Tessalônica, pois recebiam a palavra com toda a disposição mental e examinavam as escrituras diariamente, para comprovar as coisas. Portanto, muitos deles acreditavam. . . – Atos 17: 10-12.

Prove todas as coisas; Segure rápido o que é bom. – 1 Tessalonicenses 5:21.

O simples crê em toda palavra, mas o homem prudente analisa bem o seu caminho. Provérbios 14:15.

O raciocínio indutivo é útil, o raciocínio dedutivo é indispensável. E como você pode ver, a lógica é elevar nossos padrões de pensamento.

Saiba mais

Há muito mais a aprender sobre raciocínio indutivo e dedutivo que não pode ser dito em um pequeno artigo. Por exemplo, existem outros tipos de raciocínio indutivo além do que descrevi aqui, que usamos o tempo todo. E você sabe como detectar rapidamente erros em um argumento dedutivo usando diagramas circulares?

Fonte: http://bit.ly/2PKbMfY

Traduzido por: Alessandra Martins – mãe educadora

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os posts Autor do site

Emerson Almeida

Cristão Reformado, membro da Igreja Protestante Reformada em Joinville (SC), casado com Vanessa Almeida e pai do Eric.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *