Dois métodos de Raciocínio

Dois métodos de Raciocínio

por Harvey Bluedorn

Introdução à lógica indutiva e dedutiva

Corrigindo o Pensamento errado

Muitas vezes achamos que o pensamento do outro é errado, sem sequer considerar se o verdadeiro problema está dentro de nosso próprio pensamento. Temos a tendência em elevar nossas observações limitadas e nossas opiniões plausíveis ao nível de fatos seguros e conclusões infalíveis. A fé, de fato, tem um papel na lógica, mas muitas vezes nós olhamos a parte errada. Sabemos no que queremos acreditar e concluímos que, portanto, deve ser verdade. Mas não é necessariamente assim. Precisamos reconhecer qual método de raciocínio estamos usando e quais são os limites desse método de raciocínio.

Dois métodos de raciocínio

O raciocínio pode ser executado em duas direções opostas. O raciocínio dedutivo o qual passa de uma ideia geral para uma conclusão mais específica. O raciocínio indutivo passa de ideias específicas para uma conclusão geral. Esses dois métodos de raciocínio produzirão dois tipos diferentes de resultados.

Raciocínio indutivo

Vamos olhar primeiro para o raciocínio indutivo. O raciocínio indutivo se move da ideia inicial para a ideia geral. Reúne observações das ideias iniciais na forma de princípios, então raciocina estes princípios iniciais a uma conclusão geral. A forma mais comum de raciocínio indutivo é quando coletamos evidências de alguns fenômenos observados (por exemplo, examinando 10.000 cães para ver se tem pulgas), então tiramos uma conclusão geral sobre todos esses fenômenos com base em nossas evidências coletadas (por exemplo, se todos os cães têm pulgas). Em um argumento indutivo, a conclusão vai além do que as ideias iniciais realmente dizem. Por exemplo, se eu observar 10.000 cães e cada cão tiver pulgas, posso concluir que “todos os cães devem ter pulgas”. A conclusão é uma conjectura ou uma previsão. Outras evidências podem apoiar ou negar minha conclusão. O cão 10,001  pode não ter pulgas. Portanto, com um argumento indutivo, qualquer um pode confirmar todas as minhas ideias iniciais (10.000 cães com pulgas, mas negam minha conclusão (todos os cães têm pulgas) sem envolver-se em qualquer contradição lógica. O que eu digo na minha conclusão é possível, e pode até parecer provável. No entanto, não é uma conclusão necessária: se alguém dissesse: “Alguns cães podem ter pulgas, mas não acredito que todos os cães tenham pulgas”, não há uma resposta lógica na qual eu possa dar. A certeza lógica da minha conclusão depende inteiramente da minha interpretação correta da evidência e da consistência da evidência com o restante dos fenômenos que não foram, não são, ou podem nunca ser observados. Talvez eu tivesse pulgas, e inadvertidamente os transferi para cada um dos 10.000 Então, os 10.000 cães realmente não tinham pulgas, exceto quando eu os examinei. Eu teria que examinar todos os cães em todos os momentos sob condições cuidadosamente monitoradas, a fim de “provar” a minha conclusão. Mas isso seria uma tarefa impraticável. É improvável que minha conclusão seja comprovada. Pode, no entanto, ser refutado. Encontre um cão sem pulgas. Então você vai ficar com a conclusão que eu deveria ter chegado no começo, “Alguns cães têm pulgas”. Talvez a maioria dos cães ou quase todos os cães tenham pulgas. Mas tudo o que sei com certeza é que alguns cães têm pulgas. Lembre-se, um argumento indutivo conclui mais do que as ideias iniciais realmente garantem.

Nós usamos o raciocínio indutivo o tempo todo. É muito útil. Mas devemos reconhecer seus limites. A maior parte do raciocínio indutivo não se baseia em evidências exaustivas e, portanto, a forma é incompleta. (10.000 cães não são todos cães). A menos que as evidências ou observações sejam exaustivas (eu examino todos os cães para ver se tem pulgas), a conclusão é apenas um palpite. Pode ser um bom palpite. A força do argumento indutivo é aumentada à medida que se aproxima da completude. Se a evidência que aceito representar todas as possibilidades dentro do todo, minha conclusão indutiva estará correta. Quanto mais eu puder demonstrar que a evidência é verdadeiramente representativa, mais convincente será minha conclusão. “10.000 cães de todas as idades e variedades escolhidos aleatoriamente de todos os países da Terra foram examinados sob condições controladas, e todos eles tiveram pulgas. Portanto, parece provável que todos os cães tenham pulgas.”

Raciocínio dedutivo

O raciocínio dedutivo se move do geral para o individual. É preciso uma ideia inicial  geral e ela deduz conclusões individuais. Um argumento dedutivo “válido” é aquele em que a conclusão se segue necessariamente da ideia inicial. (Todos os cães têm pulgas. Este é um cão. Portanto, este cão tem pulgas.) A ideia inicial pode não ser “verdadeira”, mas a forma do argumento é, no entanto, “válida”. (Se todos os cães tiverem pulgas, e se este for um cão, então este cão deve necessariamente ter pulgas.) Um argumento dedutivo “inválido” conterá algo na conclusão completamente novo e independente daqueles mencionados na ideia inicial do argumento. (Se todos os cães tiverem pulgas, então meu cão deve ter carrapatos. Mas carrapatos não são mencionados na ideia inicial.) Às vezes não é tão óbvio que algo novo tenha sido introduzido na conclusão. (Somente o homem é um ser racional. Portanto, nenhuma mulher é um ser racional. Esse argumento equivoca-se no significado de “homem”. Na ideia inicial, a palavra “homem” significa humanidade, incluindo a mulher. Na conclusão, a palavra ” mulher “é usada para designar a porção da humanidade que é do sexo feminino, distinta da porção masculina chamada” homem “. Assim, um novo conceito, uma distinção de gênero, é introduzido na conclusão.)

Tudo na conclusão de um argumento dedutivo válido também deve estar contido nas ideias iniciais. (Existem regras sobre como essas coisas são organizadas, mas isso está além de nossos propósitos aqui.) Portanto, todo raciocínio dedutivo válido é, por natureza, um raciocínio circular ou “implorando a pergunta”. Isso não significa que a conclusão seja inútil. (Se Johnny vier de ônibus e levar 96 minutos pra chegar todas as manhãs e 96 minutos todas as noites para ir embora, cinco dias por semana, e se Johnny dorme 8 horas todos os dias, então Johnny passa o equivalente a um dia acordado [16 horas] no ônibus toda semana. a conclusão está inteiramente contida nas ideias iniciais, mas a conclusão reafirmada por uma ideia inicial a forma que nos leva a entender mais plenamente as conseqüências de andar tanto de ônibus).

A verdade (ou veracidade) sobre a conclusão de um argumento dedutivo depende de duas coisas: a exatidão (ou validade) da forma do argumento e a verdade (ou veracidade) da ideia inicial. A validade do formulário é determinada pela aplicação de regras estabelecidas. Assim, a única fraqueza de um argumento dedutivo é o valor da verdade (ou veracidade) de suas ideias inicias. Suas conclusões são tão boas quanto suas ideias iniciais. Ou, em outras palavras, suas pressuposições sempre determinarão suas conclusões.

Fontes de Premissas Dedutivas

Se alguém acredita em todas as ideias iniciais em um argumento dedutivo válido, ele deve acreditar na conclusão. A ideia inicial de um argumento dedutivo pode vir de várias fontes. Para avaliar a verdade do argumento dedutivo, é importante reconhecer a fonte de suas ideias iniciais.

A conclusão de um argumento indutivo pode ser usada como a ideia inicial de um argumento dedutivo. A fraqueza da maioria dos argumentos indutivos é que eles começam com ideias incompletas. (10.000 cães não são todos os cães). Pode-se chegar a uma conclusão indutiva falsa (Todos os 10.000 cães examinados fugiram, portanto todos os cães têm pulgas). Ele pode usar essa conclusão falsa como a Ideia inicial de um argumento dedutivo válido (já que todos os cães têm pulgas, portanto este cão deve ter pulgas). Se a ideia inicial é falsa, a conclusão é falsa. (Este cão pode realmente ter pulgas, mas não é uma consequência necessária do fato de que todos os cães têm pulgas, porque todos os cães não têm pulgas, apenas 10.000 cães tiveram pulgas no momento em que foram testados). conclusões indutivas com base em informações inadequadas, em seguida, argumentar dedutivamente a partir de sua indução.

Argumento Indutivo Inválido e Falso:

Todas as criaturas vivas têm um código genético.

Portanto, todas as criaturas vivas são geneticamente relacionadas.

Argumento Dedutivo Válido, mas Falso:

Todas as criaturas vivas são geneticamente relacionadas.

O homem é uma criatura viva.

Portanto, o homem é geneticamente relacionado a todas as outras criaturas vivas.

As ideias iniciais de um argumento dedutivo podem vir de uma observação direta. Se as observações estiverem corretas, você pode confiar na conclusão. (Salvo as circunstâncias mais extraordinárias, essa locomotiva acabará passando por essas trilhas. A menos que eu saia dessa trilha, a locomotiva acabará passando por mim, salvo as circunstâncias mais extraordinárias).

A ideia inicial de um argumento dedutivo pode vir de sentimentos emocionais. Muitas vezes a ideia inicial emocional está implícita, não expressa, portanto deve ser discernida. (Se você realmente me amasse, nunca falaria comigo dessa maneira. A ideia inicial implícita é que o amor verdadeiro proíbe constantemente certos tipos de discurso.)

Alguns derivam a ideia inicial de seu argumento dedutivo de suas circunstâncias práticas. (Se esse programa do governo me fornece um trabalho, então esse programa do governo é bom. A ideia implícita é que qualquer coisa que garanta empregos é boa).

Muitas vezes encontramos uma definição como a ideia inicial de um argumento dedutivo. (Um lápis, por definição, é um longo instrumento de escrita cilíndrico contendo um pedaço fino de grafite para escrita. Este é um longo instrumento de escrita cilíndrico contendo um pedaço fino de grafite para escrever. Portanto, por definição, é um lápis, a definição está correta, e o argumento é válido, então a conclusão é verdadeira.

Para o cristão, a Bíblia fornece um imenso recurso de afirmações verdadeiras, que ele pode usar como ideias iniciais em argumentos dedutivos válidos para chegar a conclusões verdadeiras.

Todo o conselho de Deus, concernente a todas as coisas necessárias para sua própria glória, salvação, fé e vida, ou é expressamente estabelecido na Escritura, ou por boas e necessárias conseqüências pode ser deduzido da Escritura: para o qual nada é para ser adicionado, seja por novas revelações do Espírito, ou tradições de homens. Confissão de Fé de Westminster, I, 6

(Diversos pesos e um falso equilíbrio são abominações ao Senhor. Provérbios 20:23; 11: 1) Se a moeda sem lastro é um peso diferente e o interesse não ganho é um falso equilíbrio, então essa moeda e tais juros são abominações ao Senhor).

Indução e Dedução Comparadas

A conclusão de um argumento indutivo pode ser provada como falsa ao encontrar um exemplo contrário. (Todos os 10.000 cães têm pulgas, portanto todos os cães têm pulgas. Encontre um cão sem pulgas e essa conclusão é provada como falsa). Mas a conclusão indutiva nunca pode ser provada verdadeira a menos que você esgote todos os detalhes da ideia inicial. (Tudo o que você realmente sabe é que alguns cães têm pulgas. Você tem que examinar todos os cães para concluir que todos os cães têm pulgas).

A conclusão de um argumento dedutivo válido não pode ser provada como falsa, a menos que suas ideias iniciais também sejam provadas como falsas, e não pode ser provada como verdadeira a menos que suas ideias iniciais também sejam provadas verdadeiras. Em outras palavras, a verdade ou falsidade depende das ideias iniciais.

A indução é geralmente orientação para o futuro. Ela reúne informações específicas e, em seguida, tira uma conclusão geral que prevê o que você encontrará no futuro. (Todos os 10.000 cães examinados tinham pulgas. Portanto, prevejo que você continuará a achar que todos os cães têm pulgas.) Essa conclusão pode ser testada por observações futuras. Alguns tentam “prever” o passado inobservável, como um detetive forense que investiga crimes, ou um cientista especulativo que investiga as origens do universo. Esses tipos de “previsões” não podem ser testadas.

A dedução é geralmente passada ou orientada para o presente. Presumivelmente, suas ideias iniciais já foram testadas. Ela extrai informações gerais e extrai uma conclusão específica que comprova a verdade passada ou presente. A Bíblia é uma fonte de ideias iniciais verdadeiras pelas quais alguém pode provar o passado inobservável (criação, vida dos pais patriarcais) ou o futuro inobservável (a primeira vinda de Cristo, a destruição de Jerusalém).

Ambos os argumentos indutivos e dedutivos requerem fé. Um argumento indutivo requer fé em sua conclusão, enquanto um argumento dedutivo requer fé em suas ideias iniciais.

Fonte em inglêshttp://bit.ly/2Uattrv

Tradução: Alessandra Martins – mãe educadora

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os posts Autor do site

Emerson Almeida

Cristão Reformado, membro da Igreja Protestante Reformada em Joinville (SC), casado com Vanessa Almeida e pai do Eric.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *