Estudos Bíblicos Indutivos e Dedutivos

Estudos Bíblicos Indutivos e Dedutivos

por Harvey Bluedorn

Discutirei primeiro os métodos dedutivos e indutivos de raciocínio, depois discutirei métodos dedutivos e indutivos para estudar.

O Método Dedutivo do Raciocínio

O método dedutivo raciocina certo tipo de ideias iniciais para uma conclusão necessária. É frequentemente descrito como raciocínio do geral para o específico.

Ideias iniciais: Todos os homens são mortais.

Ideia inicial: Sócrates é um homem.

Conclusão: Sócrates é mortal.

Se as ideias são verdadeiras e a forma é correta ou válida, a conclusão é necessariamente verdadeira. No entanto, se o formulário for inválido, a conclusão não será necessariamente verdadeira.

Alguns homens são mortais.

Sócrates é um homem.

Portanto, Sócrates é mortal.

Embora possamos saber que Sócrates é mortal, isso não flui logicamente das ideias iniciais  desse argumento. Se nós apenas sabemos que alguns homens são mortais, então Sócrates pode estar entre alguns homens que não são mortais. A forma do argumento não é válida.

O método indutivo do raciocínio

O método indutivo raciocina na direção oposta do método dedutivo. Ele inicia com observações e motivos específicos para uma generalização sobre as observações. É frequentemente descrito como raciocínio dos detalhes para o geral.

Eu examinei dez mil cachorros.

Todo cão que examinei tem pulgas.

Portanto, todos os cães têm pulgas.

A conclusão (uma generalização) pode ser verdadeira, não existe observação que contradiga a conclusão, mas não é necessariamente verdade, existe mais observações que poderiam ser feitas.

Se, de fato, eu tivesse examinado todos os cães (o que, é claro, ninguém poderia fazer), e todos os cães examinados tivessem pulgas, então eu poderia concluir que todos os cães de fato têm pulgas. Com base na minha amostra de cães, parece que todos os cães têm pulgas. Mas o primeiro cão que encontrei que não tinha pulgas contradizia e, portanto, refuta minha conclusão. Então tudo o que eu sei é que alguns cães têm pulgas.

Uma comparação entre métodos indutivos e dedutivos de raciocínio

O método dedutivo de raciocínio se move em direção a conclusões necessárias derivadas de conexões corretas entre ideias iniciais a ideias iniciais, que são todas dadas ou assumidas como verdadeiras.

O método indutivo de raciocínio se move em direção a possíveis conclusões derivadas de conexões hipotéticas entre ideias iniciais (observações) que são selecionadas entre todas as possíveis ideias iniciais verdadeiras (observações).

Idealmente, o método dedutivo de raciocínio é objetivo em suas conclusões (as conclusões são necessariamente verdadeiras), mas subjetivas em suas ideias iniciais (pressupõe-se que as ideias iniciais sejam verdadeiras).

Idealmente, o método indutivo de raciocínio é subjetivo em suas conclusões (as conclusões não são necessariamente verdadeiras), mas objetivo em suas ideias iniciais (as ideias iniciais são observadas como verdadeiras).

Raciocínio dedutivo e indutivo aplicado à Bíblia

Para começar, se acreditarmos que todas as proposições da Bíblia são absolutamente verdadeiras, então devemos acreditar que se chegarmos a conclusões dedutivas conectando as proposições da Bíblia de uma maneira formalmente válida, então essas conclusões dedutivas são absolutamente verdadeiras.  Portanto, a dedução da Bíblia resulta em certeza absoluta. Muitas doutrinas chegam dedutivamente da Bíblia, e são essas doutrinas deduzidas que são as doutrinas mais amplamente aceitas entre os cristãos simplesmente porque são provadas (pelo menos para a satisfação de muitos, se não a maioria das pessoas) e não podem ser refutadas sem rejeitar a doutrina. plena autoridade da Bíblia.

Segundo, se selecionamos certas proposições da Bíblia e as transformamos em um padrão que não é baseado em conexões necessárias (isto é, elas são formalmente válidas), mas sim o padrão é baseado em nossas conexões conjecturadas (isto é, o que parece melhor para nós), então não podemos confiar em nossos padrões conjecturados. Em outras palavras, a indução da Bíblia não resulta em nenhuma certeza absoluta. Muitos sistemas teológicos ou dogmáticos para interpretar a Bíblia chegam indutivamente, e são esses sistemas induzidos que são os mais divisivos entre os cristãos, criando várias escolas de teologia e denominações simplesmente porque diferentes pessoas preferem diferentes conjecturas e não estão dispostas a permanecer dentro da Bíblia. Limites do que é demonstrável.

É claro que existem diferenças de opinião sobre o que realmente é provado a partir da Bíblia, mas isso não é devido a qualquer defeito no raciocínio dedutivo. Em vez disso, isso pode ser comparado ao provérbio de que os computadores realmente não cometem erros, são os programadores ou os operadores que cometem os erros. Porque a Bíblia não vem (na maior parte das vezes) na forma de proposições bem formuladas e completamente inequívocas, o elemento de interpretação é introduzido, e é aí que nós humanos frequentemente falhamos. Além disso, muitas vezes caímos em várias falácias enganosas, erros no raciocínio que nos levam na direção errada.

Alguns acreditam que podemos provar que a Bíblia é verdadeira com a lógica. Este é um racionalismo anti-bíblico que coloca a autoridade da razão acima da Bíblia. Para provar a Bíblia, precisaríamos de proposições de autoridade mais elevada do que a Bíblia, o que é impossível por definição. No entanto, se tivéssemos tempo suficiente, poderíamos provar que todos os sistemas de pensamento não-bíblicos são contraditórios e, portanto, falsos, o que deixaria a Bíblia em pé como o único exemplo de algo que ainda não se provou contraditório. No entanto, não podemos provar o negativo. Portanto, a verdade da Bíblia deve ser revelada ao indivíduo. A Bíblia é auto-autenticada, mas apenas para aqueles que foram trazidos para dentro do círculo da fé.

Alguns acreditam que não podemos provar nada da Bíblia. Este é um irracionalismo anti-bíblico que nega que a razão possa ser aplicada à Bíblia. Em vez disso, devemos adicionar experiência e adivinhação e dar alguns saltos incertos pela fé.

Acreditamos que o papel correto do raciocínio é como se fosse nosso servo para nos ajudar a entender a Bíblia. O lugar da lógica está em submissão como servo da Palavra de Deus.

Métodos de raciocínio em comparação com métodos de estudo

Um método é uma maneira regular ou maneira de proceder ou realizar algo. Devemos fazer uma distinção entre um método de raciocínio para conclusões e um método para estudar um livro ou um assunto.

Por exemplo, considere os métodos indutivos e dedutivos para estudar uma língua:

A aprendizagem dedutiva da linguagem envolve a memorização das várias partes e categorias de uma língua estrangeira e a aprendizagem de como encaixá-las todas juntas e para nós. Em outras palavras, começa com certos princípios aceitos da linguagem e deduz a linguagem como um todo da combinação correta das partes e dos princípios.

O aprendizado indutivo da linguagem envolve a leitura de artigos em uma língua estrangeira, depois a separação e o aprendizado das partes. Em outras palavras, começa com a linguagem como um todo adequadamente conectada em todas as suas partes e princípios, e então descobre certas partes e princípios da linguagem.

Como você pode ver, não estamos realmente falando sobre um método de raciocínio tanto quanto estamos falando sobre um método de abordar um assunto.

No método dedutivo de estudo, tomamos como certo o trabalho que outros antes de nós fizeram na identificação e categorização de várias partes e suas relações de linguagem (ou qualquer outro assunto), e usamos isso para desenvolver nossa compreensão de todo o sistema e para gerar exemplos verdadeiros da linguagem (ou qualquer outro assunto).

No método indutivo de estudo, o que foi dado como certo no método dedutivo é aqui nosso trabalho principal. Nós nos movemos dos exemplos verdadeiros da linguagem (ou de qualquer outro assunto) e a dividimos em suas partes e relacionamentos e, assim, desenvolvemos nossa compreensão de todo o sistema.

Na prática real, embora qualquer método de estudo possa ser caracteristicamente dedutivo ou indutivo, nada é puramente dedutivo, e nada é puramente indutivo, mas na verdade eles são usados ​​para servir um ao outro.

Como isso se aplica ao estudo bíblico indutivo e dedutivo?

Usados ​​corretamente, os métodos de estudo bíblico indutivo e dedutivo podem ser úteis no uso da Bíblia para chegar ou testar as crenças. Cada um tem seus usos e abusos especiais. Vou descrever cada método abaixo no nível básico, depois no nível avançado, apontando alguns usos e abusos.

Estudo Bíblico Dedutivo de Nível Básico

O estudo bíblico dedutivo no nível básico é simplesmente instrução na doutrina bíblica. Um nome melhor para isso pode ser um estudo bíblico sintético [grego: suntithemai = juntar] porque reúne os elementos separados da Bíblia para formar um todo coerente que é mais desenvolvido do que as partes. Em um estudo dedutivo, podemos examinar uma série previamente selecionada de textos bíblicos, a fim de reunir proposições bíblicas que, quando devidamente arranjadas, provam doutrinas como a divindade de Cristo, ou a personalidade do Espírito Santo, ou a salvação pela expiação do sangue de Cristo. Os Apóstolos raciocinaram com eles a partir das Escrituras, explicando e demonstrando que o Cristo tinha que sofrer e ressuscitar dentre os mortos (Atos 17: 2-3). Portanto, um estudo dedutivo é de natureza tópica, e alguém deve primeiro fazer o trabalho de encontrando os textos e organizando-os para provar a doutrina, então examinamos seu trabalho, nos beneficiamos dele, e talvez até o aperfeiçoemos. O estudo dedutivo nos salva muito do trabalho de reunir esses textos e construir essas doutrinas por conta própria. Dessa maneira, os jovens na fé podem ser rapidamente edificados [construídos] linha após linha em doutrinas básicas, essenciais e importantes da fé.

Uma forma comum de se fazer um estudo dedutivo é que o aluno examine uma série de textos bíblicos selecionados, depois responda a perguntas específicas sobre cada texto, que extraiam e juntam as inferências lógicas para que o aluno possa pensar por si mesmo, passo a passo pela lógica da doutrina.

É claro que, no estudo bíblico dedutivo, o aluno deve depositar uma quantidade razoável de confiança em seu professor para guiá-lo pelas doutrinas. No entanto, há algumas coisas difíceis de entender, que pessoas não instruídas e instáveis ​​distorcem para sua própria destruição, como também o resto das Escrituras (2 Pedro 3:16). O perigo do estudo dedutivo é que, independentemente das intenções dos professores, podemos ser enganados. Assim, o aluno também deve examinar por si mesmo os textos da Bíblia em seus contextos para ver se eles dizem o que o professor acha que eles dizem, e Ele deve testar as conexões lógicas para se certificar de que eles provam o que o professor acha que eles provam. Os Bereanos eram mais justos do que os de Tessalônica, pois recebiam a palavra [da doutrina dos apóstolos] com toda prontidão e examinavam as Escrituras diariamente para descobrir se essas coisas eram assim. Por isso, muitos deles creram (Atos 17: 11-12). Tanto o professor como o aluno são responsáveis ​​perante o Senhor, bem como uns aos outros no Senhor.

Os cultos religiosos usam um método dedutivo de estudo da Bíblia, a fim de manter os seguidores em um nível mais infantil de compreensão e, portanto, dependem deles para a instrução. O objetivo final de um fiel professor de Bíblia é levar seus alunos ao seu nível de habilidade em compreensão, para que possam eventualmente instruí-lo e corrigi-lo. Pastores e mestres, para o equipamento dos santos para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, para um homem perfeito, à medida da estatura da plenitude de Cristo; que não devemos mais ser crianças, jogadas de um lado para o outro e carregadas com todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, com astúcia astuta de conspirações enganosas, mas, falando a verdade em amor, podemos crescer em todas as coisas em Aquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, unido e unido por aquilo que cada conjunto provê, de acordo com o trabalho efetivo pelo qual cada parte faz sua parte, causa o crescimento do corpo para a edificação de si mesmo no amor (Efésios 4:11-16). Temos muito a dizer, é difícil de explicar, já que você ficou entediado com a audição. Pois embora a esta altura você deva ser professor, você precisa de alguém para lhe ensinar novamente os primeiros princípios dos oráculos de Deus; e você passou a precisar de leite e não de comida sólida. Pois todo aquele que participa apenas do leite não é qualificado na palavra da justiça, pois ele é uma criança. Mas a comida sólida pertence àqueles que são de maior idade, isto é, aqueles que em razão do uso têm seus sentidos exercitados para discernir tanto o bem quanto o mal. Portanto, deixando a discussão dos princípios elementares de Cristo, prossigamos para a maturidade (Hebreus 5).

Enquanto a doutrina for realmente demonstrada pela manipulação correta de textos de prova genuínos e válidos, esse método de estudo pode ser muito edificante, útil e frutífero. [Um texto de prova válido é uma proposição encontrada na Bíblia que pode ser claramente mostrada como significando apenas uma coisa.]

Contudo, o estudo bíblico dedutivo (ou sintético ou doutrinário) deve ser claramente distinguido do estudo bíblico dogmático, que é a instrução usando textos selecionados como evidência para apoiar um modelo ou sistema particular de interpretação. [Um texto de evidência de apoio é uma declaração encontrada na Bíblia cujo significado está aberto à interpretação e que pode ser interpretado honestamente como significando algo diferente do que se encaixa em um modelo ou sistema particular. Compare fatos biológicos e arqueológicos que são feitos para se adequar a ambos os modelos evolucionários e de criação.] Estudo bíblico dogmático pode aparecer na superfície para ser o mesmo estudo bíblico dedutivo, mas a diferença crítica é que o estudo dedutivo demonstra cuidadosamente o que a Bíblia ensina, enquanto o estudo dogmático mostra como um ensinamento particular pode ser encaixado na Bíblia, quer ela esteja lá ou não. No estudo dedutivo somos levados a confiar nos ensinamentos da Bíblia, enquanto no estudo dogmático somos levados a confiar em um sistema de ensinamentos ou dogmas. Uma forma particularmente perigosa de estudo bíblico dogmático é quando um conjunto especial de interpretações de certas palavras-chave, frases e passagens são impostas a textos bíblicos, às vezes, usando um vocabulário especialmente inventado para fazer com que os textos se encaixem em um sistema não comprovado para interpretar a Bíblia. Muito tempo pode ser gasto tentando desvendar e desvendar sistemas de tradições ou dogmas ou opiniões que foram impostos à Bíblia.

Estudo Bíblico Dedutivo de Nível Avançado

Nos níveis mais avançados de estudo dedutivo, em vez de depender de um professor para instruir o aluno, o próprio aluno está envolvido diretamente na construção e aplicação da doutrina bíblica. Um nome melhor para isso pode ser pesquisar o estudo da Bíblia. Depois de obter um bom conhecimento das Escrituras e uma familiaridade com a forma de provar as doutrinas, o aluno pode realizar o trabalho de pesquisar cuidadosamente as Escrituras e fazer suas próprias inferências necessárias a partir das proposições das Escrituras. Ele pode ser motivado por questões especiais ou controvérsias, ou por questões e situações que ele encontrou que exigem uma decisão. Seu objetivo é descobrir, se possível, a doutrina ou princípio bíblico que se aplica ou oferece orientação. Quanto mais ferramentas o aluno tiver, mais eficaz ele será no cumprimento de seu objetivo. As listas atuais de escrituras, concordâncias, referências cruzadas, referências de cadeia e outros livros de referência são valiosas aqui. Usado corretamente, um conhecimento das linguagens originais e o acesso a ferramentas de linguagem podem garantir um maior grau de precisão na pesquisa.

O perigo no estudo bíblico da pesquisa é que podemos tecer uma teia de interpretações que parece apoiar nossos próprios desejos ou expectativas. Em outras palavras, podemos nos enganar, imprimindo nosso próprio pensamento na Bíblia, em vez de permitir que a Bíblia impressione seu pensamento sobre nós. Para isso, devemos estar sempre em guarda.

Os livros didáticos de teologia contêm muitas vezes excelentes instruções dedutivas, mas o dogma do autor está sempre entrelaçado com sua instrução dedutiva, por isso é melhor ler as críticas e opiniões divergentes de outros autores para ajudar a discernir o que é a doutrina bíblica são as opiniões denominacionais dos autores ou conjecturas pessoais. (Alguns insistem que há uma diferença entre a sistemática que supostamente é uma doutrina puramente bíblica e dogmática que supostamente é o estudo de um sistema de credos de uma denominação ou um modelo teológico desenvolvido por um movimento religioso. De um ponto de vista prático, muitas vezes é difícil distinguir qualquer diferença real).

Estudo Bíblico Indutivo de Nível Básico

O estudo bíblico indutivo no nível básico é simplesmente uma instrução cuidadosa no significado do texto bíblico. Um nome melhor para isso pode ser o estudo analítico da Bíblia [grego: analisar para desfazer, afrouxar (para os elementos)] porque quebra os textos da Bíblia em partes ou princípios a fim de examinar seu significado e relação com outros textos.

Em um estudo indutivo, podemos examinar uma passagem particular ou livro da Bíblia, tentando entender o que o texto significa dentro de seu contexto. O propósito não é construir doutrina, embora um pouco disso provavelmente aconteça, mas o propósito é construir conhecimento básico e compreensão da Bíblia. Desde a infância você sabe as sagradas letras, que podem lhe fazer sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é dada por inspiração de Deus, e é proveitosa para a doutrina, para repreensão, para correção, para instrução em retidão, para que o homem de Deus seja completo, totalmente equipado para toda boa obra (2 Timóteo 3:15 – 4). : 1) Assim, um estudo indutivo é de natureza textual, exigindo muito tempo para examinar cuidadosamente as passagens contínuas dos textos bíblicos, a fim de saber o que elas significam e como elas podem se aplicar às nossas vidas.

Uma maneira comum de fazer um estudo indutivo é escolher uma passagem grande para examinar palavra por palavra, frase por frase, parágrafo a parágrafo com uma série de perguntas como: Quem? O que? Onde? Quando? Por quê? Como? Que tipo de? Quantas? Que ajudam a extrair algum significado do texto

  1. Começamos com o nível de observação, determinando o que o texto diz.
  2. Em seguida, passamos para o nível de interpretação, determinando o que o texto significa com o que diz.
  3. Finalmente, passamos para o nível de aplicação, determinando como aplicar o que o texto significa às questões da vida moderna.

Isto segue a progressão do trivium bíblico:

  1. Conhecimento dos fatos = observação do que o texto diz.
  2. Compreensão das relações = interpretação do que o texto significa.
  3. Sabedoria na aplicação do entendimento = aplicação da interpretação à vida.

Uma fraqueza desse método é que alguém pode ficar tão focado nos detalhes do texto e na aplicação imediata que ele pode não ver o quadro maior e, portanto, pode negligenciar ou mesmo desacreditar a doutrina. Em nossa época, o foco no insight pessoal e na aplicação pessoal pode ter gerado uma aversão à doutrina. As pessoas têm dificuldade em ver, ou até mesmo querem ver a floresta pelas árvores. Esse desequilíbrio pode ser corrigido com estudos doutrinários dedutivos e com esboços temáticos de partes maiores das Escrituras.

Se o estudo indutivo fosse nosso único método de estudo, então seríamos menos edificados ou edificados nas doutrinas da fé. O estudo indutivo é uma boa preparação para o estudo dedutivo avançado, mas não é um substituto para ele. Aquele que se afasta do estudo dedutivo e só faz estudo indutivo, reterá de si mesmo o conhecimento seguro e certo de muitas doutrinas edificantes das Escrituras. Aquele que não avança para a comida sólida da doutrina permanecerá como uma criança no leite. As crianças são mais facilmente enganadas e estão menos preparadas para sentir o perigo ou para se proteger ou defender os outros em perigo. E eu, irmãos, não posso falar a vocês como a pessoas espirituais, mas como a carnais, como a bebês em Cristo. Eu te alimentei com leite e não com comida sólida; pois até agora você não foi capaz de recebê-lo, e mesmo agora você ainda não é capaz; porque ainda és carnal (1 Coríntios 3: 1-3).

Estudo Bíblico Indutivo de Nível Avançado

Nos níveis mais avançados do estudo indutivo, o aluno reúne informações para procurar padrões ou tendências na Bíblia. Um nome melhor para isso pode ser um estudo bíblico teórico. Uma teoria é um sistema de suposições, especulações ou conjecturas entrelaçadas para explicar certos fenômenos observados, mas que carece de verificação tanto com evidências de conexão direta quanto com provas por inferência necessária. Se tais teorias indutivas são então submetidas à prova dedutiva da Bíblia, então elas podem ser muito úteis. Mas se eles são pressionados sobre os outros sem prova, eles se tornam um conhecimento falso e inútil que gera contendas e divisões entre os irmãos. Atraiam alguns de que não ensinam outra doutrina, nem dão ouvidos a fábulas e genealogias sem fim, que causam disputas em vez de edificação divina que é na fé (1 Timóteo 1: 3-4). Se alguém ensina o contrário e não consente com palavras benéficas, mesmo as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e a doutrina que está de acordo com a piedade, ele se orgulha de não conhecer nada, mas está obcecado com disputas e discussões sobre palavras, das quais vêm inveja, discórdia, injúria, suspeitas más, disputas inúteis de homens corruptos da mente e destituídos da verdade, que supõem que a piedade é um meio de ganho. De tal retiro (1 Timóteo 6: 3-5) Guarda o que foi confiado a sua confiança, evitando os falatórios e contradições profanos e ociosos do que é falsamente chamado de conhecimento, professando que alguns se desviaram em relação à fé (Timóteo 6: 20-21) Himeneu e Fileto são desse tipo, que se desviaram da verdade, dizendo [especulando] que a ressurreição já passou; e eles destroem a fé de alguns. ”(2 Timóteo 2: 17-18) Porque chegará o tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas, segundo os seus próprios desejos, porque têm ouvidos comichão, amontoarão para si mesmos os seus mestres. ; e eles desviarão os ouvidos da verdade e serão desviados para fábulas (2 Timóteo 4: 3-4).

Teorizar não é necessariamente mau de fato, pode ser muito útil, mas quando assume uma vida e autoridade próprias à parte da Bíblia, torna-se um inimigo da verdadeira doutrina e fé da Bíblia. Podemos comparar isso um pouco com a teoria da evolução. Micro-evolução é o deslocamento de pools genéticos em uma população, a fim de adaptar uma espécie às circunstâncias. Esta foi originalmente uma indução científica, mas agora pode ser considerada verificada como fato observável. Macro-evolução, por outro lado, é a mudança de materiais genéticos para criar espécies totalmente novas. Este é um modelo teórico que nunca foi observado e que parece contradizer fatos observáveis ​​(para não mencionar as Escrituras). A micro-evolução provou ser uma teoria útil porque desde então tem sido provada para a satisfação de todos. A macro-evolução é uma especulação inútil que nunca pode ser provada como verdadeira, e que muitos consideram ter sido falseada de várias maneiras. Seu único propósito útil foi eliminar essa linha de raciocínio.

Resumo e Conclusão

O estudo bíblico, dedutivo ou sintético, reúne proposições da Escritura e as organiza como premissas em argumentos formais que levam a conclusões doutrinais necessárias que, de outra maneira, não teriam sido declaradas na Bíblia. Desta forma, constrói a doutrina bíblica. No nível básico, a coleta e organização das Escrituras para provar doutrinas já foram feitas para o aluno. No nível avançado, o aluno faz pesquisas por conta própria.

Estudo bíblico indutivo ou analítico examina em detalhes grandes passagens das Escrituras para entender essas passagens no contexto. Desta forma, constrói uma compreensão geral da Bíblia. No nível básico, o aluno pesquisa sozinho. No nível avançado, o estudante examina toda ou grande parte das Escrituras procurando padrões, e teoriza sobre o significado do que ele observa. Ele então volta e tenta provar sua teoria dedutivamente.

Portanto, o estudo indutivo e dedutivo andam de mãos dadas. O estudo indutivo fornece o conhecimento analítico bíblico e o entendimento necessário para construir dedutivamente a doutrina bíblica e o estudo dedutivo pesquisa e constrói a doutrina que informa o estudo indutivo sobre o contexto doutrinário mais amplo das Escrituras, que então permite que o estudo indutivo extraia ainda mais significado do texto.

A fraqueza do estudo indutivo são suas limitações na construção da doutrina, e a fraqueza do estudo dedutivo é sua suscetibilidade a ser infectado pelo dogma.

O abuso do estudo indutivo vem quando a teoria é transformada em dogma, e o abuso do estudo dedutivo vem quando o dogma é misturado com a doutrina.

Fonte em inglês: http://bit.ly/2CF5YQ2

Traduzido por: Alessandra Martins – mãe educadora

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os posts Autor do site

Emerson Almeida

Cristão Reformado, membro da Igreja Protestante Reformada em Joinville (SC), casado com Vanessa Almeida e pai do Eric.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *