Matemática na Infância

Por Monique Carvalho
Agosto de 2020

Provavelmente, você deve ter tido dificuldades com a tão temida matemática durante o seu período escolar, mas algo que muitos de nós não aprendemos naquela época é que a matemática é a representação da realidade. Assista o vídeo para entender melhor:

Neste artigo nós queremos dar algumas dicas de como trabalhar a matemática com crianças que estão na fase da pré-gramática, nós chamamos assim por se tratar do período antes do início do ensino formal, que pode se dar início aos 4, 6, 8 anos, dependendo da escolha de cada família. O importante é na fase da pré-gramática você trabalhe o concreto com seu filho, ou seja, coisas que ele pode apalpar, tocar, vivenciar no dia a dia. Apresentar sim os números no papel, porém sempre fazendo brincadeiras que façam com ele compreenda que aqueles números representam a realidade.

Faça Parte da Comunidade Educalar
Além dos números, propriamente ditos, é interessante que a criança desenvolva outras habilidades também ligadas a matemática, pois ela não é feita apenas de números. Atividades que desenvolvam a lógica, a percepção visual e a coordenação motora irão auxiliar seu filho a desenvolver um raciocínio lógico mais eficiente, o que é muito importante na compreensão da matemática. Nesse âmbito você pode trabalhar:

1- Lógica:

– Correspondência: aquilo que é igual (a mesma flor, o mesmo carrinho), igual por cor (todos os blocos amarelos, azuis), igual por tamanho (todos os palitos do mesmo tamanho), função (tudo que é de comer, tudo que é de vestir, etc).

– Classificação: o que é diferente, o intruso (vários sapatos e um chinelo, alguns garfos e uma faca). Contar somente uma categoria (contar só o que é vermelho, ou somente o que é de comer, etc).

– Comparação: maior, menor, mais comprido, mais curto, maior quantidade, menor quantidade (pode usar legumes, frutas, perguntar qual o maior, o menor).

– Ordenação: do maior ao menor, do menor ao maior, do mais pesado ao mais leve.

– Padrões: dar uma sequência para a criança fazer ou copiar (uma sequência de bolinhas amarelo, verde, amarelo, verde… uma sequência de objetos garfo, colher, garfo, colher).

2- Aritmética

Desenvolver na criança, num primeiro momento, a noção de quantidades, contagem sólida, ou seja, contar aquilo que a criança consiga visualizar.

– Trabalhar matemática nas receitas (quantas xícaras de farinha estamos colocando? quantos ovos? quantas colheres de açúcar, fermento?…).

– Ao contar uma história ao seu filho, você pode pedir para ele ilustrá-la, então você pergunta: Quantos desenhos você fez? Quantos personagens você desenhou ou pintou?.

– Contar feijão, milho, grampo de roupas, sapatos, pilhas de roupas. Coisas que façam parte da rotina de vocês.

– Contar blocos, jogos de dominó, contar degraus da escada. 

Após a criança estar familiarizada com os números de forma concreta podemos desenvolver a capacidade de associar as quantidades aos números (abstrato). Ensiná-los a contar na sequência até 10.

Enfim, a matemática está em tudo ao nosso redor. Podemos apresentar aos nossos filhos de maneira lúdica, mas totalmente intencional.

3- Geometria 

Reconhecer e nomear as formas geométricas. E isso podemos fazer também de maneira lúdica e aproveitando vários momentos do dia. 

– Brinquedos de encaixe de formas geométricas, sempre nomeando cada forma.

– Ao observar as casas, você pode chamar a atenção para as formas dela, você pode mostrar que ali, há formas geométricas que compõem aquela casa.

– Fazer atividades com palitos formando as formas geométricas, ou com massinha de modelar.

4- Coordenação motora

Por último, mas não menos importante, gostaria de ressaltar também a importância de desenvolver a coordenação motora, que será útil não só para matemática, mas a qualquer outra disciplina ou atividade que a criança irá desenvolver.

– Recortes com tesoura, tanto recortes livres (deixar a criança cortar sozinha sem nenhuma orientação), como também estabelecer uma direção para o corte (uma linha reta, de um ponto a outro, linha curva, etc).

– Colagens, tanto com cola como com fitas.

– Desenhos, pinturas (com lápis, tinta, giz de cera).

– Atividades com pinça, tanto aquelas em que a criança pega objetos com o uso de uma pinça, como também aquelas em que a criança usa os dedinhos para pegar objetos pequenos.

– Traçados (dependendo da idade da criança e da familiaridade dela com o uso do papel).

– Transvasar líquidos de um recipiente a outro.

O importante é que você consiga fazer com que seu filho tenha gosto pela matemática, que não seja algo assustador e nem pesaroso para ele. E quando conseguimos inseri-la de forma natural no nosso cotidiano, com certeza os resultados serão bem satisfatórios.

Texto: Monique Carvalho – Mãe Educadora – Equipe Educalar.
Fonte Imagem: https://www.pexels.com/pt-br/foto/amor-mulher-menina-garota-3662667/
Fonte Vídeo:
Educalar

Você deseja utilizar, compartilhar, copiar ou distribuir este artigo? Entenda como isso pode ser feito de maneira a respeitar os direitos  atribuídos a ele.
Creative Commons – [CC BY-NC-ND 4.0] – http://bit.ly/CCartigosEducalar

Artigos Relacionados

Sobre o editor(a) Ver todos os posts

Bárbara Beatriz

Cristã, casada e mãe educadora. Tenho desejado mais da vida de Cristo em mim e em minha família. Que Cristo cresça e eu diminua!

1 ComentárioDeixe um comentário

  • Ótima estratégia para ensinar as minhas filhas a tão temida ” matemática ” usando coisas do cotidiano de forma simples e natural.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *