Comparação de Diferentes Métodos e Abordagens com o Trivium Matrix

Ensino domiciliar por Harvey & Laurie Bluedorn.

Vamos comparar alguns dos diferentes métodos e abordagens de Homeschooling com os quais muitos de nós já estamos familiarizados. Antes de fazer isso, vamos revisar o Modelo Trivium de Desenvolvimento Infantil. As crianças passam por vários estágios de desenvolvimento ou níveis de aprendizado.Para evitar que não haja confusão com os três temas formais do Trivium Clássico – tradicionalmente chamado de Gramática, Dialética ou Lógica e Retórica – de sua aplicação prática para analogia, preferimos nos referir aos diferentes níveis de aprendizagem como Conhecimento, Entendimento e Sabedoria. Esperamos que esta mudança de terminologia torne nossa discussão mais compreensível.Antes dos dez anos, as crianças estão no nível inicial de conhecimento (gramática inicial). Eles estão, em grande parte, aprendendo a língua, construindo seu vocabulário e aumentando sua compreensão básica do mundo. Essas crianças precisam de mais treinamento do que precisam de ensino. Eles devem ser treinados em autodisciplina e preenchidos com informações úteis. Isso estabelece uma base adequada para estudos mais formais depois.

Por volta dos dez anos, a lâmpada acende, e esses jovens entram no último Nível de Conhecimento (Gramática Posterior). Eles desenvolvem a capacidade de pensar mais abstratamente. Eles podem lidar com conceitos matemáticos abstratos. Eles podem discernir a diferença entre um substantivo e um verbo. Dos dez aos doze anos, seu conhecimento começa a crescer no nível abstrato, mas seu raciocínio e suas habilidades criativas de comunicação ainda não estão muito desenvolvidos.

Os jovens de 13 a 15 anos estão no nível de compreensão (lógica). Eles começam a desenvolver suas habilidades de raciocínio. Eles podem lidar com álgebra e geometria. Eles devem estar desenvolvendo o aparato crítico para pensar. Eles devem ser mais curiosos e analíticos. Suas mentes devem ser treinadas para raciocinar corretamente as coisas – para avaliar logicamente pressuposições e conclusões.

Os jovens mais velhos, de dezesseis a dezoito anos, estão no Nível da Sabedoria (Retórica). Eles começam a desenvolver suas habilidades em comunicação e aplicação. Eles querem expressar de maneira criativa e eficaz o que aprenderam e colocar essas coisas em prática.

Essas idades são aproximadas e seu filho pode estar atrasado ou à frente do modelo. No final deste artigo tem um gráfico da Matriz Trivium, que estabelece o modelo Trivium para o Desenvolvimento Infantil e os diferentes métodos e abordagens para Homeschooling.

1. O Método do Escopo e Sequência

*escopo: meta, alvo

A maioria de nós que fomos ensinados em uma sala de aula graduada estamos familiarizados com o Método de Escopo e Sequência. A primeira suposição desse método é que existe uma enciclopédia de informações que toda criança deve aprender. A segunda suposição é que podemos dividir essa enciclopédia em pequenas partes eficientes de acordo com doze níveis de série e 180 parcelas diárias. A terceira suposição é que toda criança deve ser capaz de digerir regularmente essas parcelas com outras crianças cuja idade se difere entre nove meses. Assim, como uma fábrica de montagem de automóveis, à medida que cada criança desce pela esteira transportadora educacional, ela tem várias partes conectadas ao longo do caminho e sai da fábrica de montagem acadêmica um produto completo na décima segunda série. Este é o modelo de fábrica da educação. Ela negligencia várias coisas, como treinamento em comportamento adequado e caráter moral. Enquanto as famílias estavam fornecendo o treinamento comportamental e moral, o modelo de fábrica ainda era produtivo. Mas à medida que mais e mais produtos desse sistema se tornaram pais, a família começou a se decompor e, portanto, forneceu cada vez menos o comportamento adequado e o caráter moral. Por isso, a linha de montagem começou a produzir produtos que não funcionam corretamente. A fábrica em si nunca será capaz de fornecer o treinamento moral e comportamental necessário. Nunca poderá substituir a família.

Não há nada de errado com a noção de que há certas coisas que cada criança deve aprender (o escopo) e que existem diferentes níveis de aprendizado (a sequência). [Observe que não estamos dizendo que concordamos com a noção de todos sobre qual deve ser o escopo e a seqüência de cada criança!] Mas não podemos espremer cada criança no mesmo molde. Todas as outras coisas sendo iguais (e nunca são), o programa deve ser adaptado para a criança, não a criança para o programa.

Editores de livros didáticos (A Beka, Bob Jones, Rod e Staff, etc.) usam o método “Scope and Sequence”. Estes materiais didáticos foram originalmente escritos para uso em uma sala de aula formal. Algumas das escolas de correspondência (Christian Liberty, Seaton, Calvert) montam livros de várias fontes. O homeschooler terá que adaptar seu método de ensino para trabalhar com o pacote de nível de série com manuais e testes do professor, etc. Uma forma diferente do Método de Escopo e Sequência é o Texto de Trabalho. (Alfa Ômega, Luz Cristã, Mundo do Amanhã, etc.) As lições e os testes do aluno não estão localizados em materiais de ensino separados, mas são incorporados ao texto do aluno. (O professor ainda tem a chave de resposta.) O texto é dividido em pequenas unidades que devem ser dominadas. Como o aluno pode fazer o trabalho por conta própria, o texto do trabalho reduz a necessidade de supervisão do professor. Uma forma especializada do texto de trabalho é o texto interativo programado (Artes Latina, Grego de Homeschool), que leva o aluno passo a passo através do processo normal de aprendizagem (conhecimento dos fatos, compreensão de como as informações se encaixam, sabedoria em como usar as informações), enquanto confirma ou corrige continuamente a resposta do aluno. O método Interativo Programado é usado principalmente com idiomas.

O Trivium aplicado nos fornece um “escopo e sequência” gerais de Conhecimento, Compreensão e Sabedoria. Para cada sujeito, os fatos (conhecimento) devem primeiro ser dominados, depois a teoria (compreensão) e, finalmente, a prática (sabedoria). Além disso, cada criança passa por um Nível de Conhecimento inicial de desenvolvimento e treinamento (antes dos dez anos), um Nível de Conhecimento posterior (dez a doze), um Nível de Compreensão (treze a quinze), um Nível de Sabedoria (dezesseis a dezoito) e um nível final, onde a consciência está plenamente desenvolvida (dezenove a vinte e um) (as idades são aproximadas). Qualquer um que ensine a partir de uma Abordagem Trivium certamente usará alguns livros didáticos e pastas de trabalho. Ele irá, no entanto, editar e reorganizar os materiais para encaixá-los nos níveis de desenvolvimento do Trivium. Materiais de Escopo e Sequência são particularmente úteis para o estudo de assuntos particulares.

2. Método Habitual e Ambiental

O Método Habitual (Charlotte Mason) de ensino procura instilar hábitos de autodisciplina nas crianças através da rotina diária, concentração, veracidade, autocontrole, cooperação e altruísmo. As crianças devem ser expostas às melhores fontes de conhecimento, e devem narrar o material de volta para desenvolver atenção, concentração e compreensão. Este método centra-se nos níveis gramaticais precoces e posteriores até aos doze anos.

O Método Ambiental (John Holt) procura fornecer um ambiente não estruturado e não guiado de livros e recursos. Os pais 1) fornecem um modelo de interesse na aprendizagem, 2) envolvem seus filhos em suas próprias experiências adultas, 3) os cercam com um rico ambiente de recursos, 4) se disponibilizam para responder perguntas e sugerir coisas para ajudar as crianças a explorarem seus próprios interesses.

As Escrituras ensinam “um filho abandonado a si mesmo envergonha sua mãe”. (Provérbios 29:15) uma criança deve ser treinada em autocontrole e autodisciplina, e ele deve ter algumas ferramentas para explorar. Ele também precisa de alguma disciplina acadêmica para poder manipular esses recursos da melhor maneira. No entanto, uma vez que você tenha incutido tais disciplinas em seu filho, fornecer um ambiente aberto rico em recursos pode ser a melhor coisa que você pode fazer por ele. Essa abordagem se ajusta melhor à sabedoria posterior ou ao período retórico.

3. Abordagem do Estudo de Unidade Temática e Orientada por Interesse

Estudar um tópico ou tema específico – examinando-o sob as perspectivas da ciência, arte, matemática, linguagem e literatura – isso é chamado de estudo de unidade. Todos os assuntos são misturados em torno de um tema comum. Isso foi chamado de estudo da Unidade Direcionada Temática. Há estudos de unidade criados em torno do caráter pessoal (Konos, Instituto de Treinamento Avançado), interesses científicos (Alta Vista) e história (Weaver). É claro que o pai pode construir seus próprios estudos de unidade. Essa abordagem funciona bem no nível de conhecimento inicial e posterior, quando a criança está absorvendo informações factuais. A mente tende a reter informações de forma mais precisa e abrangente quando não é apenas uma coleção de fatos isolados, mas faz parte de um todo inter-relacionado.

Uma forma especializada do Estudo de Unidade é a Abordagem Direcionada por Interesse (Greg Harris). Todos os sujeitos são empregados na busca de um interesse particular. Se uma criança tiver interesse em armas, então desenvolva estudos sobre a história das armas, a física e a química das armas, a matemática das armas, a linguagem e a literatura das armas, as leis relativas às armas etc. Essa abordagem funciona bem com o Nível de Sabedoria posterior, quando se aproveita o conhecimento e a compreensão de alguém para buscar uma aplicação específica.

4. As Abordagens Clássicas e Princípio de Abordagem

A Clássica engloba os três temas formais do Trivium: Gramática (latim e grego), lógica (falácias informais e lógica simbólica formal) e retórica (composição, oratória e debate). Estas são as três ferramentas formais que os alunos usam para se ensinarem. um interesse revivido no Trivium é freqüentemente atribuído à reimpressão do ensaio de Dorothy Sayers intitulado “As Ferramentas Perdidas do Aprendizado” (reimpresso na edição de junho / julho de 1985 no The Teaching Home).

A Abordagem por Princípios é representada pela Fundação para a Educação Cristã Americana, o Instituto Americano de História Cristã, o Instituto Peregrino, o Instituto Mayflower e outros. Na Abordagem do Princípio, um aluno pesquisa um assunto como história, governo ou literatura, enfocando o governo de Deus no mundo. Ele descobre:

  • A Providência de Deus na história;
  • Os Princípios de autogoverno que protegem a liberdade;
  • Das Pessoas que preservam, orientam, regulam e dirigem as áreas da vida abrangidas por este assunto.

Este método utiliza o que eles chamam de quatro R’s:

  • Pesquisando – para identificar os princípios e propósitos de Deus em relação a um assunto em particular;
  • Raciocínio – a partir dessas verdades para determinar o significado e importância do assunto no governo de Deus;
  • Relacionando – aplicando estes princípios ao caráter de cada aluno;
  • Gravação – escrevendo aplicações individuais de princípios bíblicos para a vida.
    Isso tudo pode ser entendido como uma aplicação do Trivium natural, focalizando o governo de Deus no mundo:

Pesquisar é reconhecer os fatos elementares – o conhecimento ou a gramática – da Providência de Deus.
O raciocínio está buscando a teoria – a compreensão ou a lógica – do autogoverno.
Relacionar e registrar é a aplicação prática – a sabedoria ou a retórica – do uso responsável e extensão do governo de Deus para toda a vida.
O Trivium Clássico Formal é introduzido em diferentes níveis – gramática formal por volta dos 10 anos, lógica formal por volta dos 13 anos, retórica formal por volta dos 16 anos. A Abordagem por Princípios também deve ser adaptada aos diferentes níveis de capacidade de desenvolvimento da criança.

5. O Debate Formal-Acadêmico Anterior versus Verso Final

Há alguns que acreditam que devemos introduzir todas as crianças à instrução formal-acadêmica estruturada em sala de aula, desde a mais tenra idade possível, certamente aos quatro anos de idade. Eles acreditam que o tempo é desperdiçado se esperarmos. Os primeiros anos são academicamente muito importantes.

Outros acreditam que deveríamos atrasar a instrução formal acadêmica em sala de aula até oito a dez anos de idade.

Pesquisas indicam que, se começarmos cedo os acadêmicos formais, isso causa problemas de desenvolvimento. O estresse é colocado nos sistemas da criança que ainda não estão totalmente desenvolvidos, como visão, audição, nervos e coordenação. Os primeiros anos são mais bem gastos na leitura para crianças, fazendo projetos, aprendendo tarefas domésticas de gerenciamento, prestando serviço aos outros, a fim de treinar em comportamento adequado e construir caráter moral. Se estabelecermos uma boa base de autodisciplina e caráter moral, a instrução acadêmica dos anos posteriores será mais produtiva. Quanto mais lemos para as crianças, maior será a sua mente – maior vocabulário, maior quantidade de categorias de pensamento e maior amor pelo aprendizado.

Nos primeiros anos, o cérebro ainda não está formado para lidar com pensamentos abstratos complexos. É melhor adaptado para receber instrução linear. Se for forçado a ir além de seu desenvolvimento, faltará a compreensão adequada, e armazenará a informação em lugares menos acessíveis do que se for ensinado essas mesmas coisas quando o cérebro se desenvolveu adequadamente e está preparado para recebê-lo.

Algumas pessoas especularam de alguma forma que, porque alguns não defendem “acadêmicos formais estruturados em sala de aula”, devem, portanto, recomendar uma abordagem indulgente, não exigente e até negligente à educação antes dos dez anos de idade. Alguém diria que ler e narrar Charles Dickens, memorizando alfabetos gregos e hebraicos, memorizando e recitando passagens da literatura bíblica e clássica, e fazendo outras coisas antes dos dez anos, enquadra-se na categoria de indulgente ou não-exigente? Definitivamente não! No entanto, tudo isso é feito por aqueles que adotam uma abordagem acadêmica formal posterior. Concordamos plenamente que a instrução inicial é importante. Discordamos apenas da noção de que é necessário seguir a metodologia moderna dos primeiros acadêmicos formais. Em vez disso, defendemos o método clássico de instrução que prevaleceu até o século XX, que enfatizava a instrução informal até uma idade em que a instrução formal é compreensível para o desenvolvimento. Por que tentar colocar coisas na mente de uma criança de uma vez ou de uma maneira que torne o material menos digerível? um século de multiplicação contínua das “dificuldades de aprendizagem” e coisas que antes não eram ouvidas – todas surgindo logo após o início do experimento nos primeiros acadêmicos formais – deveriam garantir pelo menos alguma cautela em relação a essa metodologia moderna. Mais uma vez, recomendamos como regra geral algo mais próximo da metodologia clássica dos acadêmicos formais atrasados, mas há muitas e variadas exceções, e o pai é o mais qualificado para discernir o que é melhor para seu próprio filho.

Imagine estes dois extremos: Por um lado, temos um ambiente de sala de aula formal, restrito, engomado, rígido e formal. Por outro lado, temos a configuração casual, solta, improvisada, superficial, do tipo “venha-e-faça-o-que-quiser-como-lhe-agradar-e-como-quiser”. Agora eu digo que você deve escolher entre essas duas formas. O que eu fiz? Eu fui vítima da falácia ou de algum outro. É como dizem: “se você não é um fascista, então você deve ser um anarquista”. Deixei de fora inúmeras outras possibilidades. Os primeiros acadêmicos formais não são necessariamente como a academia militar, e os acadêmicos formais posteriores não são necessariamente como o cenário “hippy-dippy”. Acreditamos que forçar as crianças pequenas a estruturas muito rígidas é contraproducente, mas a falta de estrutura também é contraproducente. Não estamos falando de opostos rígidos, mas pontos diferentes em uma escala, e o melhor ponto é diferente para diferentes famílias e diferentes crianças em diferentes idades e em diferentes circunstâncias.

Chris Davis, da Elijah Company, gosta de citar WB Yeats: “A educação não é o enchimento de um balde, mas a iluminação de um incêndio”. A lâmpada para o aprendizado acadêmico não continua até os dez anos. Antes desse tempo, podemos perder muito tempo ensinando coisas simples, muitas vezes à exasperação de ambos, aluno e pai. Em vez de ensinar uma criança de cinco anos a contar de cinco em cinco – e levar cinco dias para fazê-lo, podemos esperar até que a criança tenha nove ou dez anos de idade e ensiná-lo em dez segundos – se ele ainda não descobriu por conta própria.

Empurrar acadêmicos formais desde cedo pode destruir mais promessas do que cria. Aqueles que foram pressionados nos primeiros anos muitas vezes experimentam um jet lag de esgotamento acadêmico nos últimos anos. É claro que nunca devemos desencorajar uma criança a aprender, mas tampouco deveríamos pressionar os acadêmicos ao ponto de causar tensão ou exasperação. Devemos esticar e desafiar nosso filho para fortalecê-lo. Quando seu filho estiver pronto para aprender alguma coisa, então ensine-o. Quando ele tem uma pergunta, então responda. Encoraje perguntas – bem, até certo ponto. Ensine-lhes as boas maneiras para fazer perguntas.

Cada criança é diferente, e há pequenos prodígios precoces que levam aos acadêmicos e vão mais longe e mais rápido do que os outros. Mas as crianças ainda precisam de mais treinamento do que de ensinar em seus primeiros anos. Uma jovem brilhante que é indisciplinada, mal-educada e amoral pode ser um pesar genuíno, especialmente se ela também for academicamente instruída. O ensino acadêmico formal não é a mesma coisa que o treinamento infantil. O que mais queremos fazer com as crianças durante os primeiros anos é treiná-las para que funcionem na cultura cristã de nossa própria casa. O objetivo das escolas do governo é o mesmo – socializar as crianças para funcionarem em uma cultura humanista coletivista controlada pelo governo. Eles treinam as crianças a procurar o governo para cuidar delas, provê-las, educá-las, resolver seus problemas para elas. E eles fazem um bom trabalho de treinamento de crianças para a cultura humanista. Eles ensinaram uma geração inteira a pensar que a solução para cada problema é um novo programa do governo e nunca considerar se um programa do governo pode ter criado ou exagerado o problema, para começar. O governo não está seriamente preocupado com os primeiros acadêmicos, mas apenas com a socialização precoce. A educação moderna inventou a educação infantil: o jardim de infância, depois o Head Start, depois a pré-escola e depois a creche. O mais novo modismo é o preparo educacional – para crianças de seis meses! Seu objetivo final parece ser a doutrinação pré-natal do feto!

Deus inventou a família para treinar e inculcar a criança com princípios, valores e objetivos piedosos. Não há substituto legítimo para a família. O treinamento da primeira infância e o desenvolvimento das faculdades físicas e mentais são uma preparação para acadêmicos mais formais. Por volta dos dez anos, depois que a criança aprendeu a ler, e seu vocabulário e categorias de pensamento foram bem desenvolvidos por meio de acadêmicos informais, os assuntos formais do Trivium podem ser fácil e prontamente ensinados, e o progresso acadêmico é uma alegria para o público infantil.

Cada Método e Abordagem Tem Seu Lugar

Como você pode ver, todos esses métodos e abordagens não são mutuamente exclusivos, mas podem ser incorporados em locais apropriados dentro da matriz do Trivium Aplicado. O Trivium deve ser a matriz sobre a qual construímos nosso próprio currículo de acordo com o estilo de aprendizagem de cada criança e as restrições de nossa vida como família.

Nosso ponto é este: Ensinar o Trivium Formal – Gramática, Lógica e Retórica – poderia ser considerado uma abordagem separada – a Abordagem Clássica. Mas não devemos confundir o Trivium Formal com o Trivium Aplicado. O Trivium Aplicado deve ser a estrutura ou matriz sobre a qual construímos todo o nosso sistema de educação, simplesmente porque é assim que aprendemos – mesmo que nunca realmente ensinamos o Trivium Formal.

——

Fonte Texto Original: http://www.triviumpursuit.com/articles/comparison_approaches.php

Tradução: Alessandra Martins – Mãe Educadora – membro equipe Educalar

Fonte Imagem:

——

Licença Creative Commons
Este artigo está licenciado com uma Licença [CC BY-NC-ND 4.0] – Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Artigos Relacionados

Sobre o editor(a) Ver todos os posts

Bárbara Beatriz

Cristã, casada e mãe educadora. Tenho desejado mais da vida de Cristo em mim e em minha família. Que Cristo cresça e eu diminua!

1 ComentárioDeixe um comentário

  • Este artigo do casal Bluedorn é muito bom. É bem parecido com o que eles expõem no último capítulo do livro Ensinando o Trivium teórico, que é o volume 1.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *