O Trivium e Charlotte Mason

Trivium e Charlotte Mason

por Laurie Bluedorn. Copyright 1999. Todos os direitos reservados.

A visão Clássica e a visão de Charlotte Mason são duas visões de educação domiciliar tão opostas entre si que não podem ser conciliadas? Ou será possível usar uma combinação dessas duas visões? Vamos examinar cada uma dessas visões separadamente e ver quais são as semelhanças e diferenças.

A visão clássica é a mais difícil de definir. As palavras clássica e clássico significam coisas diferentes para pessoas diferentes. No sentido mais restrito do termo, uma educação clássica poderia significar estudar, nas línguas originais, a literatura escrita durante os períodos clássicos, época em que a Grécia e Roma governavam o mundo (de Homero até o século 6 dC). O estudo desta literatura incluiria a leitura da literatura, analisando e discutindo as ideias contidas na literatura, comparando, debatendo e refutando as idéias.

Uma adaptação moderna da Abordagem Clássica segue o Trivium Medieval, que consiste nos três temas formais de Gramática, Lógica (ou Dialética) e Retórica. Dorothy Sayers converteu isso em três estágios de desenvolvimento infantil.

O primeiro estágio é a Gramática (do nascimento até os 12 anos de idade) que ensina o domínio dos elementos de uma língua. Na aprendizagem da gramática, o aluno adquiriu habilidade na compreensão. Ele aprendeu a receber conhecimento com precisão. Conhecimento é o acúmulo dos específicos, os fatos, através da observação precisa da realidade. Isto é conseguido ensinando a criança a ler em sua própria língua nativa, e depois aprendendo as línguas latina e grega. Levando à criança uma ampla variedade de assuntos. Depois que a criança aprendeu a ler por si mesma, ela é então instruída a ler livros de valor duradouro. Estes poderiam ser chamados de clássicos, embora não sejam clássicos antigos do período clássico. Ele é encorajado a evitar livros de pequeno valor literário. Os pais exercem ainda mais a mente da criança, fazendo com que ele conte o que acabou de ler ou ouviu. A criança é obrigada a memorizar partes da literatura, poesia e prosa, a fim de adicionar a este objetivo de desenvolver o domínio da criança dos elementos da linguagem.

Conhecimento (gramática) vem através dos sentidos. É transmitido através de contar e demonstrar. A criança desenvolve um vocabulário de fatos e regras. O objetivo é desenvolver competência nas ferramentas de investigação: ler, ouvir, escrever, observar e medir. O autocontrole e a consciência moral são desenvolvidos nesse estágio. A criança deve ter bastante tempo para brincar e explorar. Ele deve ser ensinado a obedecer e a trabalhar e servir os outros. Ele deve ter tempo e as ferramentas para desenvolver suas habilidades artísticas. Ele aprende a compor letras simples, histórias ou escrever um diário. No que diz respeito à arte e à música, o pai / mãe vai querer cercar a criança com o melhor das gravuras artísticas e expô-lo à música clássica desde a mais tenra idade. O estágio da Gramática é o mais importante porque desenvolve um apetite ou amor pelo aprendizado na criança. É aqui que ele desenvolve uma mente indagadora. Estamos dando aos nossos alunos as ferramentas básicas, que eles precisam para a auto-educação.

O segundo estágio é Lógico (de 13 a 15 anos) que ensina o domínio de afirmações, definições, argumentos e falácias. A lógica dá ao aluno habilidade no raciocínio. Ele aprende a analisar criticamente e entender. Compreensão, ou lógica, é o estágio de questionamento. Quando a criança está no estágio de entendimento, ele aprende a avaliar as relações entre os itens de informação. Compreensão é a investigação da teoria. É o discernimento de causas, motivos, meios, propósitos, objetivos e efeitos. É a habilidade do interior inteligente. O entendimento ocorre na mente. É transmitido através de discurso explicativo e corrigindo o processo de pensamento. A criança desenvolve um vocabulário de relacionamentos e ordem, de ações e abstrações. Seu objetivo é desenvolver competência nas ferramentas de investigação: analisando, comparando e contrastando. Esta fase desenvolve a autodisciplina e o discernimento moral.

Mas em termos práticos, conseguimos isso em nossos filhos? Aqui estão algumas sugestões. O aluno pode agora esperar ler trabalhos mais difíceis. Apresentá-lo a ensaios, peças teatrais e orações. Use livros reais, fontes primárias, não diluídas, resumos pré-digeridos. Em matemática, ele irá para álgebra e geometria. Ele estudará um curso de lógica formal. Aqui ele estudará a diferença entre raciocínio dedutivo e indutivo e aprenderá todas as diferentes falácias e tipos de raciocínio falho. Ele é apresentado ao discurso e ao debate. O pai vai querer ensiná-lo a compor ensaios, resenhas de livros e editoriais. E, o mais importante de tudo, o pai envolverá o aluno em uma conversa animada, irá encorajá-lo a questionar e contestar respeitosamente e ensiná-lo a questionar, não de maneira rebelde, mas para provar todas as coisas. Ele não deve questionar a devida autoridade, mas ele deve encontrar a autoridade apropriada, não simplesmente aceitar as coisas sem crítica.

O terceiro estágio é a Retórica (a partir dos 16 anos e acima), que ensina o domínio do discurso criativo e persuasivo. A retórica dá a habilidade do estudante a comunicação. Ele aprende com sabedoria e efetivamente expressar e colocar em prática o que ele entendeu. Retórica (ou Sabedoria) é a capacidade de aplicar a ação ou prática apropriada em uma situação ou circunstância específica. A sabedoria vem da educação que é direcionada para objetivos práticos, incentivando a iniciativa individual e a inovação, e fazendo perguntas que extraem o que está no aluno e que levam à ação. O aluno desenvolve um vocabulário de princípios, valores e objetivos filosóficos e busca sua aplicação. Autoconfiança (não auto-estima) e ativismo moral são desenvolvidos neste estágio. Nesse nível, o aluno começa a recombinar o Conhecimento (Gramática) e o Entendimento (Lógica) de disciplinas separadas em um todo coeso (sentido figurado). A retórica envolve coisas como: o comando da linguagem; a escolha efetiva das palavras; habilidade em frasear; expressão clara e precisa; comunicação precisa e interessante; discurso eloqüente, impressionante e persuasivo. Como podemos conseguir isso em nossos filhos? O aluno irá prosseguir com mais profundidade: discurso, debate e redação. Ele pode publicar seu próprio boletim informativo ou página da web, ou participar de vários concursos.

Agora que descrevi a Abordagem Clássica e como alguém pode aplicá-la à educação escolar em casa, e quanto à Abordagem de Charlotte Mason? Se você reler os três parágrafos anteriores, mas omitir todas as referências ao Trivium, Gramática, Lógica e Retórica, o que você veria? Você veria a narração? Esta é uma parte essencial da abordagem de Charlotte Mason, mas também se encaixa muito bem na abordagem clássica. A narração constrói e fortalece a mente, que é o que todas as abordagens da abordagem clássica e de Charlotte Mason se esforçam para fazer. A Abordagem de Charlotte Mason encoraja as crianças a terem amor pelo aprendizado, o que as leva à auto-educação. Mais uma vez, esta ideia está no centro da abordagem clássica. Há uma ênfase em livros inteiros e livros vivos na Abordagem de Charlotte Mason. Nenhum argumento aqui com a abordagem clássica. Charlotte Mason encorajou passeios pela natureza e a criação de cadernos de natureza. Isso se encaixa muito bem com o estágio de gramática da abordagem clássica. Queremos que nossos filhos aprendam a observar e registrar suas observações. Parece haver uma diferença entre a abordagem de Charlotte Mason e a abordagem clássica. A abordagem clássica enfatiza o estudo do latim e do grego, enquanto Charlotte Mason enfatizou o francês.

Em uma edição recente da Practical Homeschooling ( Educação Domiciliar pratica), Karen Andreola observou que “o método de Charlotte está em desacordo com a forte ênfase de Dorothy Sayers no trabalho de memória nas primeiras séries. Uma verdadeira vida intelectual não é alcançada exercitando a mente das crianças como se elas não passassem de máquinas de memória. ” Eu teria que divergir de Dorothy Sayers aqui também. Lembre-se, o ensaio de Dorothy Sayers “The Lost Tools of Learning” (As ferramentas perdidas do ensino) é apenas uma sugestão de como aplicar o Trivium. Eu vejo pouco valor em memorizar, em uma idade jovem, grupos aleatórios de fatos (datas, fatos geográficos, cânticos latinos, etc.). Em vez disso, há muito valor em memorizar passagens da literatura tanto em prosa quanto em poesia. Acho que temos a aprovação da senhorita Mason aqui.

Na minha opinião, a Abordagem Charlotte Mason e a Abordagem Clássica andam juntas como duas ervilhas numa vagem. Elas complementam e reforçam uma a outra. Quando combinados, eles enriquecerão sua experiência com a educação domiciliar.

Artigo original: http://bit.ly/2Tl6lXf

Traduzido por: Alessandra Martins – mãe educadora

Leitura por: Mariana Góes

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os posts Autor do site

Emerson Almeida

Cristão Reformado, membro da Igreja Protestante Reformada em Joinville (SC), casado com Vanessa Almeida e pai do Eric.

16 ComentáriosDeixe um comentário

  • Boa tarde, eu estou simplesmente apaixonada pelo estudo do trivium e já estou colocando algumas coisas em pratica com o meu filho de três aninhos e simplesmente estou encantada com o seu desenvolvimento e esperteza. Quanto a Charlotte Mason está sendo o meu segundo amor e antes de ler esse post eu ja estava com a idéia de unir esses dois conhecimento porque acredito que um pode sim complementar o outro, será maravilhoso transmitir para o meu bebê o conhecimento clássico debuma forma mais viva, real, palpável. …..É simplesmente muito enriquecedor e tenho certeza que meu filho vai me agradecer daqui à alguns anos…….

  • Simplesmente fantástico esta avaliação, os dois métodos têm muito a contribuir com a educação real que podemos possibilitar aos nossos filhos, às vezes, surgia um certo receio se em alguns aspectos estavam se contrapondo, é exatamente no fato memorizar fatos isolados que não fluía por aqui, eles amam memorizar algo que traz sentido a eles.

  • Maravilho artigo. Muito esclarecedor quanto aos dois métodos e a sincronia em sua aplicação. Já li o Trivium 1, e foi transformador em minha vida, assim como, na Educação Domiciliar aqui em casa. Agora vou começar o volume 2. Comecei a conhecer mais sobre Charlotte recentemente. Tenho um filho de 7 anos, e tenho aplicado aos poucos o que tenho aprendido na Educação Clássica e Charlotte, e nesse pouco já percebi duas dois resultados bem nítidos: Observo ele brincando e conversando com outras crianças, o seu vocabulário enriqueceu muito, e outro, todos os dias sou inundada com perguntas sobre tudo. Estou muito encantada e grata por esses conhecimentos.

  • Artigos como esse enriquecem nossos conhecimentos, que até então estavam tão limitados. Cada vez que leio sobre a educação clássica, compreendo melhor, o que me motiva a praticar. Muito grata a Educalar, obrigada Emerson por esse trabalho incrível!

  • Quando começamos educação domiciliar, não tínhamos muita noção do que fazer. Pensávamos que era apenas levar a escola para dentro de nossa casa.
    Agora, lendo bastante e conhecendo as metodologias de ensino, ficamos mais encantados, e cada vez temos mais certeza e convicção desse ministério de Deus para nossas vidas.
    Por aqui estamos nos aprofundando na educação clássica cristã e a medida que conhecemos somos mais motivamos a fazê-la.
    Obrigada a toda equipe Educalar, que tem sido uma bênção, nos ajudando nessa etapa do conhecimento e desenvolvimento da ED em nossa família. Foi nas primeiras aulas da plataforma que definimos nossos alvos e razões reais para nosso homeschool. Deus continue vos abençoando!

  • Um texto claro e simples que nos ajuda a entender um pouquinho mais a diferença entre o Trivium e Charlotte Mason ajudando-nos assim escolher melhor a forma na qual escolhemos o ensino de Educação de nossos filhos.

  • Eu estou amando estudar o método CM e descobrir coisas novas a cada dia. Meu filho já pediu para estudarmos até o caroço da jaca depois que começamos a fazer nosso caderno da natureza. Incrível!!!!

  • Estou iniciando os estudo pelo “Ensinando o Trivium” e já estou curiosa para saber mais sobre a Charlotte, ainda mais depois deste texto, e vi tbm muito carinho na forma como a Rachel fala dela nos vídeos. Depois do teórico e prático dos bluedorn, vou partir para a Charlotte Mason, com a graça de Deus. ;D

  • Muito bom o conteúdo da artigo, creio que a vinculação dos dois métodos é muito interessante, ao iniciar este ano o ensino domiciliar com meus filhos, Maria Eduarda (4 anos) e Guilherme (10 anos) não sabia por onde começar. Hoje sei que não devo começar de onde eles pararam, e sim iniciar com o princípio de tudo. Obrigada Educalar!

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *