Instruções para ter uma Leitura Produtiva das Escrituras Sagradas

Instruções para ter uma leitura produtiva das Escrituras Sagradas

do “Diretório Cristão” de Richard Baxter, 1673

Olhando para a diversidade do caráter e entendimento dos homens é tão extraordinariamente grande, sendo impossível achar algo que seja agradável e adequado para alguém, que não seja detestado e discutido por outros; e vendo nas Escrituras, nas quais existem trechos difíceis de entender, os quais são distorcidos pelos ignorantes e insensatos, como fazem também com as demais Escrituras para a própria destruição deles, 2 Pedro 3:16; e a Palavra é para alguns o cheiro de morte para a morte, 2 Coríntios 2:16 – portanto, você precisa ser cuidadoso ao lê-la. E como Cristo diz: “ vede, pois, como ouvis “, Lucas 8:18; então eu digo, olhe a forma como você leu!

Direção 1. Não traga um coração maligno de incredulidade para as Escrituras. Abra a Bíblia com reverência sagrada pois é o livro de Deus, inspirado pelo Espírito Santo. Lembre-se de que a doutrina do Novo Testamento foi revelada pelo Filho de Deus, enviado propositalmente do Céu para ser a luz do mundo e para dar a conhecer aos homens a vontade de Deus e as questões de sua salvação. Pondere cuidadosamente, se Deus mandar um livro ou uma carta para você por um anjo – com qual reverência você o receberia! Quão cuidadosamente você o examinaria – e o consideraria acima de todos os livros do mundo! E quanto mais você deveria fazer, por aquele livro que é inspirado pelo Espírito Santo, e registra a doutrina do próprio Cristo, cuja autoridade é maior que todos os anjos! Não o leia, portanto, como um livro comum, com um coração comum e não-rudimentar – mas no temor e no amor de Deus, o autor.

Direção 2. Lembre-se de que a Escritura é a própria Palavra de Deus da qual você deve viver e ser julgada por fim. E, portanto, leia com uma resolução completa para obedecer ao que quer que seja, embora a carne, os homens e o diabo o contradigam. Que não haja exceções secretas em seu coração, para recusar qualquer um de seus preceitos, e racionalize aquela parte da obediência que a carne considera difícil ou preciosa.

Direção 3. Lembre-se de que a Escritura é a vontade e testamento de seu Senhor e o pacto das mais completas e graciosas promessas; que todos os seus confortos, e todas as suas esperanças de perdão e vida eterna, são construídas. Leia-o, portanto, com amor e grande prazer. Valorize mil vezes mais do que você faria com as cartas do seu amigo mais querido, ou com as ações pelas quais você mantém suas terras, ou qualquer outra coisa de pouco interesse. Se a lei era mais doce para Davi do que o mel, e melhor do que milhares de ouro e prata, e era deleite e meditação o dia todo – então, oh, o que o doce e precioso evangelho deveria ser para nós?

Direção 4. Lembre-se de que a Escritura é uma doutrina das coisas invisíveis e dos maiores mistérios; e, portanto, não venha com arrogância, como juiz, mas com humildade como aprendiz ou discípulo. E se algo lhe parecer difícil ou improvável, suspeite de sua própria compreensão limitada – e não da sagrada Palavra de Deus. Se um aluno de qualquer arte ou ciência, vai suspeitar de seu professor e seus livros, sempre que ele fica confuso, ou encontra o que parece improvável para ele – seu orgulho manteria a posse por sua ignorância, e sua insensatez provavelmente seria incurável.

Direção 5. Lembre-se de que a Escritura é um padrão universal e uma doutrina, escritos para os mais ignorantes, assim como para os curiosos; e, portanto, deve ser adequado à simplicidade, à capacidade do simples – e ainda assim ter a matéria para exercitar a inteligência mais sutil; e que Deus teria o estilo para saborear mais a fraqueza inocente dos instrumentos do que o assunto. Portanto, não se incomode quando o estilo parece menos polido do que você imagina ser adequado ao Espírito Santo; nem na clareza de algumas partes, ou na misteriosidade dos outros; mas adore a sabedoria e a terna condescendência de Deus às suas pobres criaturas.

Direção 6. Não traga uma mente carnal, que saboreie apenas coisas carnais, e que seja escravizada àqueles pecados que a Escritura condena: “Pois a mente carnal é inimizade contra Deus, e nem é nem pode estar sujeita à sua lei” Romanos 8 : 7,8. “As coisas de Deus não são discernidas pelo simples homem natural, pois são loucura para ele, e devem ser discernidas espiritualmente“, 2 Coríntios 2:14 – e inimizade é um expositor doente.

A mente carnal estará brigando com todos e cometendo falhas contra a Palavra, que encontra tantas falhas em você. Ele odiará aquela Palavra que vem privá-lo do seu mais doce e amado pecado. Ou, se você tem tal mente carnal e inimizade, não acredite, mais do que um inimigo parcial e perverso deve ser acreditado contra o próprio Deus; quem entende melhor o que ele escreveu, do que qualquer um dos seus inimigos insensatos.

Direção 7. Compare um lugar da Escritura com outro, e expõe o lugar mais escuro – pela luz do mais claro, e as menos expressões – pelos pontos mais frequentes e comuns, e os pontos mais duvidosos – por aqueles que são mais certos; e não pelo contrário.

Direção 8. Não presuma a força de sua própria compreensão, mas ore humildemente a Deus pedindo luz; e antes e depois de ler a Escritura, ore fervorosamente para que o Espírito que a inspirou – possa expô-la a você e afastá-lo da descrença e do erro, e levá-lo à verdade.

Direção 9. Leia alguns dos melhores comentaristas ou expositores; Quem estiver mais familiarizado com as Escritura do que você mesmo, pode ajudar a esclarecer sua compreensão. Quando Filipe perguntou ao eunuco que lia Isaías 53: “Você entende o que lê? Ele disse: Como poderia, a não ser que algum homem me guie?” Atos 8:30, 31. Faça dos comentaristas fiéis seus guias, para você não errar.

Direção 10. Quando você estiver parado por qualquer dificuldade que o ultrapasse, anote-a e peça ao seu pastor a ajuda dele; ou (se o ministro daquele lugar é ignorante e incapaz) vá a alguém que Deus forneceu para tal trabalho. E se, afinal de contas, algumas coisas ainda permanecem escuras e difíceis, lembre-se de sua própria ignorância, e espere em Deus por mais luz, e felizmente faça uso de todo o restante das Escrituras que está claro. E não pensem como os papistas, que os homens devem abster-se de ler as Escrituras por medo de errar – mais do que os homens devem evitar comer por medo de veneno – ou que os sujeitos devem ser mantidos ignorantes das leis do rei, por medo de incompreensão ou abuso da parte deles.

Texto Original: https://gracegems.org/28/directions_for_profitable_readin.htm

Traduzido por: Alessandra Martins – mãe educadora

Áudio: Mariana Goes

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os posts Autor do site

Emerson Almeida

Cristão Reformado, membro da Igreja Protestante Reformada em Joinville (SC), casado com Vanessa Almeida e pai do Eric.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Muito edificante este artigo.
    Ajuda-me a lembrar de como devo estimar a Palavra de Deus (Direção 1 e 3).
    Além disso, também acredito ser essencial essa noção de que a Palavra de Deus não erra. Se não compreendemos certa passagem isso se deve às nossas limitações e ignorância e não a contrariedades da Palavra.
    Sobre esse assunto, A. W. Tozer diz “Esta regra sensata irá ajudá-lo a entender corretamente as Escrituras: caso você tenha apenas um versículo para apoiar sua interpretação, então não a passe adiante. Se uma ideia não se encontra em mais de um versículo, há grandes chances de que, na verdade, ela não esteja na Palavra e que o seu entendimento não seja o real ensinamento da passagem que você lera.”

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados devem ser preenchidos *